Direção de Fotografia – Passo a Passo

por Edgar Moura, ABC

DIRETOR de FOTOGRAFIA – o fotógrafo de tudo

De todas as profissões da fotografia a Direção de Fotografia é a mais exigente. O diretor de Fotografia tem que entender tudo. Tem que ser capaz de entregar boas imagens, em qualquer situação, de qualquer assunto.

No deserto ou no Ártico. Nas noturnas ou na noite americana. Na chuva, na neve ou na neblina. Na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapê. Com obturador a 180° ou shutter negartivo. Dilúvio ou seca. Drone ou GoPro. Em High Speed ou em quadro a quadro. Chroma Key azul ou verde. Computer Graphics e/ou 3D. Sol nascente e Lua cheia. Espaço de cor e gráfico de cor. Da Lua nascente ou do Sol poente. Polas e NDs. Aéreas e submarinas. Sublimes. Espelhos e arco-íris. LUT ou waveform. 709 e Log. Teatro e Televisão. Latitude de pose e dynamic range. Guerra e Paz. Digital e analógico. Esporte e moda. Fotômetro e waveform. Steadicam ou na mão. Astronauta de Mármore e Life on Mars. Manivela ou “remote”. Grua e carrinho. Foto jornalismo e documentário. Foco e profundidade de campo. Alexa e Leica. Calagem e “back-focus”. Exposição e tempo de exposição. Eletricidade e eletrônica. Quantidade e qualidade. 12 bits e 4/4/4/4 sampling. Granulação e ruído. Cor e correção de cor. Desenho animado e Animação. In City or in forest. No metrô ou no igarapé. A 24 FPS ou 30. Chroma Key no waveform. Tubarão no fundo do mar e Arpia na Amazônia. Tudo isso… e muito mais.

“Quer dizer que o Diretor de Fotografia é capaz de fotografar tudo isso? Que é capaz de fotografar tudo isso melhor do que todos os outros fotógrafos?”.

Veja bem, eu não disse que o Diretor de Fotografia é melhor ou pior do que os outros fotógrafos. Eu disse que ele tem que entender tudo. O que usa e o que lê. Tem que ser capaz entender quais os problemas envolvidos na fotografia de qualquer assunto. Tem que entender tudo, quando lê sobre fotografia no American Cinematographer, ou na entrevista de outro DoP. Tem que ser capaz de olhar uma foto de um “set de filmagem” e entender o que está vendo: a luz que está sendo usada e o quê a câmera está enquadrando. Tem que conversar com um especialista e entender o que ele sabe fazer. E… saber qual especialista convocar para filmar tubarões e arpias. Alpinistas e astronautas. Índios e CEOs.

Isso tudo porque o roteirista não se preocupa em resolver os problemas da direção, da fotografia ou da arte. Na maior parte das vezes, nem mesmo da produção. O roteirista cria, senta e escreve. O diretor do filme não precisa entender tanto de fotografia, arquitetura ou história da moda. Basta gostar do que esta vendo e dirigir aquilo tudo. O negócio dele é com os atores. E isto é o mais importante. Claro! O Diretor artístico é um dos três pés do “tripé da criação”. Os outros dois são: o Diretor de Arte e o Diretor de Fotografia. É assim que se fazem os bons filmes de longa-metragem. A Produção, como dizem… “é outro departamento”.

“Assustador! Pelo que você afirma, ser Diretor de Fotografia, é uma tarefa sobre-humana”. Não, não é. Há um ponto de partida, para chegar lá. Este “ponto de partida” foi indicado nas aulas do Diretor de Fotografia Affonso Beato, aqui mesmo nas “CASAS CASADAS /ABC”, e o ponto de partida é este: “Não espere te chamarem. Vá, faça e… mostre”. É assim que se entra na profissão. Sendo foto jornalista, assistente de câmera ou curta-metragista.

Eu aqui e agora me proponho a mostrar um caminho. Te levar pela mão. Passo a passo.

 

As Aulas Online serão gravadas e postas à disposição por 48 horas para quem perdê-las.

EVENTO GRATIS !     Conheça mais do Curso num Encontro  Online ao Vivo com Edgar Moura, ABC – Quinta 30 Setembro às 16:00

Conteúdo do Curso

 DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA – PASSO A PASSOEdgar Moura, ABCh
1“TUDO”… tudo em fotografia se resume a uma palavra: EXPOSIÇÃO. 2
   
2 ou melhor… a duas: DURAÇÃO e INTENSIDADE. A duração da exposição à luz e da sua (dela) intensidade. 2
   
3 “Lá fora e aqui dentro”. Na frente e dentro da câmera. FONTE e SENSOR. 2
   
4“A LUA é um CUBO”. O rosto também. Ataque/Compensação/Contra luz. 2
   
5“Fazendo de 2D, 3D”. Função da ILUMINAÇÃO e das LENTES   2
   
6O método “QUADRO / DNI”. Primeiro o que vai aparecer. Depois como mostrar. 2
   
7A procura do “CLOSE PERFEITO”. Vermeer, Eduardo Serra e as janelas. 2
   
8Mas… antes de tudo, a ESTRADA: Stills, Docs e Curtas. O jornal ÚLTIMA HORA e o CABRA MARCADO para MORRER. 2
   
9O teu PRIMEIRO LONGA… e o meu também. A QUEDA.  2
   
10O “MUNDO a teus PÉS” 2
   
11A QUEDA.  Não o filme, o mercado. 2
   
12O CEMITÉRIO dos DINOSSAUROS 2
   
 horas do curso24

 

FORMATO

24h – 12 sessões de 2 horas

Horários 

Terças e Quintas das 16:00 às 18:00

Número máximo de participantes : 12

Início: 7 de Outubro

 

INVESTIMENTO

À vistaR$ 960,00 ou 3x R$ 320,00

ou em mais parcelas conforme seu cartão de crédito

MATRÍCULAS

CERTIFICADO

Edgar Moura, ABC

Diretor de Fotografia

Edgar Moura veio do fotojornalismo e começou a carreira no cinema como diretor de fotografia em A Queda, de Ruy Guerra (1976). Edgar foi diretor de fotografia de vários filmes como Cabra Marcado pra Morrer (1984), O Sonho não acabou (1984) e Kuarup(1989). Revemos ainda Gaijin (1979), A hora da estrela (1985) Se segura malandro (1978), O cangaceiro trapalhão (1983), e as experiências em Portugal: A passagem da Noite (2003), Camarate (2001)… e outros.

https://www.imdb.com/name/nm0609918/

Autor dos livros: “Câmera na Mão”, “50 ANOS LUZ” e “Da COR”
Formação acadêmica
INSAS – Institut national supérieur des Arts du Spectacle Diploma Section Image Direção de Fotografia
Universidade Federal Fluminense
Diploma Professor Colaborador Fotografia e Câmera

INC Instituto Nacional do Cinema – Moçambique
Diploma Professor “Colaborante”
Área de estudo Fotografia e câmera
Período (ou ano previsto para a graduação) 1978 – 1979

Teams2

Instruções para o uso da Plataforma Microsoft Teams Educacional

Nossos Cursos Online Ao Vivo serão realizados na plataforma Microsoft TEAMS Educacional totalmente gratuita, que combina videoconferências e organiza arquivos e outros recursos como numa sala de aula.